O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é um  transtorno, não uma doença, que gera grandes dúvidas.

Em geral, os sintomas manifestam na infância e pode mudar durante as fases da vida (infância, adolescência e na vida adulta).

Na fase da infância os pais enxergam o problema, mas não sabem como lidar ou até mesmo acreditam que a criança apresenta alguns comportamentos inadequados por falta de limites ou até mesmo para chamar a atenção.

A dificuldade em compreender o transtorno se dá porque é comum a manifestação de sintomas isolados, ou seja, pode haver predomínio de desatenção, de hiperatividade e de impulsividade ou, um tipo de TDAH combinado, quando a criança apresenta tanto hiperatividade, quanto impulsividade e desatenção.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), há um grande numero de crianças que apresentam o transtorno. Pode-se afirmar que cerca de 3% a 5%  das crianças brasileiras sofrem de TDAH, das quais de 60% a 85% permanecem com o transtorno na adolescência e alguns na vida adulta.

É preciso enfrentá-la o mais cedo possível. O diagnóstico e tratamento realizado no período correto traz orientação aos pais, à criança e à escola, evitando assim sérios prejuízos na qualidade de vida da criança e no seu desempenho escolar.

Em crianças, é comum a queda no rendimento escolar, devido à desorganização, falta de atenção e paciência para participar das aulas e estudar.

Na adolescência em geral, há uma redução da agitação e necessidade de movimentação. Entretanto, alguns sintomas do transtorno de déficit de atenção e hiperatividade, podem surgir como a dificuldade de controlar os impulsos e a baixa auto-estima.

Na fase adulta, geralmente afeta os relacionamentos interpessoais, uma vez que a pessoa tem dificuldades no aproveitamento do tempo (cumprir horários), na priorização nas tarefas e organização com compromissos e, frequentemente não consegue manter o foco nas longas conversas, isto é prestar atenção no parceiro.

Adultos com TDAH acreditam que não dão conta de resolver as situações, essa sensação contribui para os insucessos profissionais e pessoais ocasionando procrastinação e prejuízo na auto-estima.

Confira as principais manifestações do TDAH

Desatenção

  • Troca de brinquedos rapidamente, não completa atividades.
  • Não mantém foco de atenção, distraído, esquecido.
  • Menor persistência em tarefas escolares, sem atenção aos detalhes.
  • Desorganização, falta de planejamento, poupa noção de tempo.

 Hiperatividade

  • “Escala” os móveis da casa, corre o tempo todo.
  • Sempre agitado, não consegue ficar sentado ou deitado por pequeno período.
  • Inquieto, mexe excessivamente com mãos e pés.
  • Sente desconforto decorrente da inquietude.

 Impulsividade

  • Tem pouca noção do perigo.
  • Interrompe os amigos e familiares, não respeita regras e combinados.
  • Tem autocontrole prejudicado, assume riscos sem avaliar.
  • É impaciente, toma decisões prematuras.

Vale ressaltar que a manifestação pontual e/ou isolada (quando não aparecem com frequência e em diferentes ambientes: casa e escola) de algum sintoma de TDAH descrito nas situações acima, não significa que a criança, adolescente ou adulto tenha o transtorno.

Em todo caso, vale ficar atento e procurar ajuda profissional. Os profissionais indicados nesse caso são o psicólogo especializado e o neuropsicopedagogo. O ideal é que encontre um profissional que contemple as duas especializações para uma avaliação diagnóstica completa e o acompanhamento mais adequado para cada caso.

Por Sandra Padula – Mestre em Educação, Arte e História da Cultura, Psicóloga, Pedagoga, Neuropsicopedagoga e Fundadora do Espaço Diálogos do Saber

Share This